Tania Carli, Western Illinois University

tania carli, western illinois university

Tania Carli – Western Illinois University (US)/University of Sao Paulo – ESALQ (BR)

Por que você escolheu estudar nos E.U.A.?
Eu escolhi os E.U.A. para ser parte dos meus estudos em agricultura por que os EUA têm várias tecnologias e uma grande área de produção (milho, soja, gado…). Além disso, diversos produtos, ferramentas agrícolas e conhecimento que foram adaptados para uso no Brasil (área tropical) vieram dos EUA. (ex.: máquinas, produtos químicos, sementes…).

O que você mais gosta na escola?
A WIU ofereceu um monte de oportunidades, dentro e fora do campus. O acesso gratuito ao transporte público facilita o acesso a instalações no campus (como a biblioteca, residência estudantil, salas de aula e cafeterias) e fora do campus (como mercearias, shopping, entretenimento).

O que eu gostei mais foi o estilo das aulas. Elas eram uma mistura de estudos teóricos e práticos. Os professores no WIU são de qualidade muito alta e ensinam muitas coisas dentro de sala e com atividades práticas. Por exemplo, na minha aula de genética, nós fazíamos experimentos no laboratório. Durante as aulas de produção de milho e soja, nós íamos para o campo toda semana para ver e analisar pragas, doenças e ervas daninhas.

O que você mais gosta a respeito de Macomb?
Macomb oferece a oportunidade de estar em uma cidade universitária com muitos estudantes de diversas origens, tornando possível interagir com outras culturas e pessoas de todo o mundo. Esteja aberto a visões diferentes e você aprenderá muito em Macomb!

  western illinois university students   western illinois university brazilian students

Você enfrentou algum tipo de “choque cultural” quando você chegou?
Sim, a comida era muito diferente para mim! O tipo de comida e o tempo das refeições eram muito diferentes. A refeição mais importante no Brasil é, geralmente, o almoço. Para os americanos, a refeição mais importante é o jantar. Além disso, os americanos estão acostumados a comer mais fast food e sanduíches do que os brasileiros. Comida foi o principal “choque cultural” que eu tive.

Você tem alguma dica sobre como economizar dinheiro enquanto estuda no exterior?
Meu conselho seria planejar seu mês antes de você começar a comprar um monte de coisa! Por exemplo, se você criar uma conta na Amazon, não saia clicanco “click and buy” em tudo que você vê. Compras compulsivas online podem ser muito traiçoeiras para o seu orçamento. Economize seu dinheiro para aproveitar os bons momentos com seus amigos.

Como você acha que o estudo no exterior te beneficiará?
Estudar no exterior traz muitos benefícios tanto para a minha vida profissional quanto para a pessoal.

Na minha via pessoal, desenvolvi muitas amizades fortes durante meu tempo na WIU. As pessoas que conheci nos E.U.A. (brasileiros, americanos e outros estudantes internacionais) foram amigáveis e me dão bastante suporte quando eu preciso. Eu também me diverti muito! Festas, aulas, aniversários, viagens, Natal – todos esses momentos eu compartilhei com meus amigos durante meu um ano e meio nos E.U.A. As amizades que eu fiz continuam e ainda mantenho contato com meus melhores amigos dos E.U.A. mesmo de volta ao Brasil.

Na minha vida profissional, ser fluente em inglês e ter um diploma de bacharel em Engenharia Agrônoma abiu muitas portas para mim. No Brasil, muitas empresas grandes preferem profissionais que são fluentes em inglês e têm experiência internacional. Ter essas qualidades me ajudou a encontrar um emprego logo depois da formatura. Formei-me em dezembro de 2016 pela Universidade de São Paulo em Engenharia Agrônoma e fui contratada em janeiro de 2017 em uma empresa chamada “Ipiranga Agroindustrial”, uma usina que produz etanol e cana-de-açúcar.

Qual conselho você daria para um estudante brasileiro que viajará para o exterior para estudar pela primeira vez?
Aproveite o seu tempo tanto dentro quanto fora da sala de aula! Primeiro, estude bastante e tente aprender o máximo que você puder. Os professores na WIU são excepcionais e são altamente qualificados (Ph.D). Eles também te dão atenção e ajudam bastante. Segundo, não tenha medo de falar inglês! Pratique seu inglês todo dia falando com nativos e fazendo amigos americanos. Se você estudar bastante e aprender uma segunda língua, você virá para o Brasil melhor preparado para o mercado de trabalho.