Larissa de Souza da Silva Bruno, ILSC – Vancouver

Larissa

Larissa de Souza da Silva Bruno, 22
Origem: Santo André, SP
Cursou: Curso Preparatório FCE de Cambridge e Aulas de Conversação, ILSC – Vancouver

Por que você escolheu estudar no Canadá?

Eu sempre quis ir ao Canadá por causa das coisas maravilhosas que havia ouvido sobre esse país. Eu havia lido que os Canadenses são muito amigáveis e receptíveis e que o Canadá possui umas das mais belas paisagens do mundo. Eu quis ter a oportunidade de ver coisas que não podiam serem vistas no Brasil, como a neve, as montanhas, a vegetação diferenciada e os animais. Eu também queria poder me comunicar com o pessoal de lá e, ao saber que eles são abertos aos turistas e estudantes internacionais, isso me fez ter certeza de que iria àquele destino.

O que você mais gostou da escola?

O que eu gostei mais da escola foi o apoio que recebemos dos funcionários. Na nossa primeira aula, nos explicaram como a escola funciona, o que esperar enquanto estivermos no Canadá, as diferenças culturais, para onde ir e para onde não ir, o que fazer e o que não fazer, enfim, todas as informações essenciais àqueles que são novos na cidade. Tudo isso me fez sentir que não estava sozinha, apesar de eu estar. Eu sabia que se algo desse errado com a minha família hospedeira ou se eu ficasse doente, eu poderia contar com eles para me ajudar como se eles fossem os responsáveis por mim naquele lugar.

O que você mais gostou de Vancouver?

As paisagens, a natureza e as pessoas. Tudo isso junto foi o que eu mais gostei de Vancouver. Todas as minhas expectativas dessa cidade foram superadas. Foi muito incrível ver como uma cidade tão grande poderia ter tanta natureza em sua volta. Eu poderia ir esquiar se eu quisesse, só pegando um ônibus. E os canadenses eram maravilhosos comigo. Eles faziam de tudo para poder me ajudar quando eu estava perdia ou precisava de informação. Também achei muito fácil começar conversas com eles e fazer amizades.

Você enfrentou algum tipo de “choque cultural” quando você chegou?

Eu encontrei algumas diferenças culturais, mas não foram necessariamente ruins. A primeira coisa que notei foi é preciso tirar os sapatos antes de entrar na casa de alguém. Na verdade, isso fez sentido porque a maioria das casas tinha carpete e você não ia querer sujar o carpete dos outros com os seus sapatos molhados de neve, chuva ou terra. Eu também notei que as pessoas se desculpavam bastante por coisas pequenas, como trombar com você na rua ou estar no seu caminho quando você está tentando ultrapassá-las. Eu não estava acostumada com aquilo, então foi um pouco estranho porque me sentia como se estivesse sendo mal-educada às vezes por não me desculpar tanto como eles.

O que você sente mais falta do Canadá?

Sinto falta de acordar de manhã com a vista daquelas montanhas cheias de neve no pico. Era tudo tão diferente e lindo para mim que eu me senti como se estivesse em um outro mundo.

Você tem algumas dicas para economizar dinheiro enquanto estiver estudando fora?

Acredito que se você não tiver muito dinheiro de sobra enquanto estiver estudando fora, você não deve fazer um monte de compras. Aqueles produtos e eletrônicos de marca que são muito mais em conta no Canadá, podem acumular rápido e acabar saindo caro no final.
Faça o seu próprio lanche/almoço e leve para a escola ou coma em lugares baratos. Há sempre opções saudáveis em restaurantes de fast food, apesar de eles terem má reputação por oferecerem opções não muito saudáveis.
Pergunte à sua família hospedeira ou aos funcionários da escola quais são as opções mais baratas de transporte. Você provavelmente terá direito a um desconto no seu passe de ônibus mensal.
Verifique quais excursões realmente te interessam e se elas valem a pena. Você não precisa ir a todos os lugares ou fazer todas as coisas que eles sugerem.

Como você se acha que se beneficiou ao estudar for a?

Apesar de eu ter ficado apenas um mês em Vancouver, percebi que meu inglês melhorou cem vezes mais do que quando estudei por um ano no Brasil. Aprimorei minha fluência no idioma e me senti muito mais segura ao me comunicar na língua inglesa.

Qual conselho você daria a um estudante brasileiro indo estudar for a pela primeira vez?

O que eu percebi quando estava estudando fora foi que os brasileiros tendem a se agrupar com outros brasileiros. Acredito que ao fazer isso, perde-se todo o propósito de estudar fora. Quando você está em um país estrangeiro, você quer conhecer novas pessoas, trocar experiências e melhorar sua fluência ao conversar em inglês o tempo todo. Portanto, meu conselho aos brasileiros seria tentar se socializar com pessoas de diferentes nacionalidades. Isso lhe dará a chance de aprender muito mais do que teria aprendido ao ficar em volta de pessoas que falam a mesma língua e possuem as mesmas experiências que você.